A Turfa continua a ser uma das principais matérias primas utilizadas para a produção de Substratos. Para conhecer todo o processo desde a sua origem até ao embalamento, a equipa Nutrofertil viajou até à Letónia e vivenciou as várias fases deste processo.

A visita ao Parque Nacional Kemeri descreveu o estado Puro de uma Turfeira. Fundado em 1997, Ķemeri é o terceiro maior parque nacional do país em área com um total de 381,65 km 2 . O território do parque é ocupado principalmente por florestas e pântanos intocáveis onde é possível verificar a flora característica desta região. As urzes que clarificam o estado ácido do terreno bem como a imensidão de Sphagnum, pinheiro, bétulas e de pequenas lagoas.

Quando falamos em Turfa referimo-nos a um material vegetal que se decompôs na presença de um baixo teor de oxigénio. Nestas condições (anaerobiose) a decomposição bacteriana foi muito lenta e frequentemente a turfa é retirada de turfeiras com muitos milhares de anos. A turfa Sphagnum é a mais comum. Possui uma capacidade de retenção de água 15 a 30 vezes superior ao seu peso seco, e de 75% a 80% da sua porosidade total, e contém um baixo teor de azoto. Seja pela ausência de oxigénio, pelas baixas temperaturas ou até mesmo pela pobreza nutricional, a decomposição da matéria orgânica torna-se muito lenta e a matéria vegetal morta vai-se acumulando, dando origem a estes solos orgânicos que podem atingir até 6m de profundidade.

O tipo de turfa depende da sua origem e varia muito em função do tipo de vegetação que a originou, do estado de decomposição e do seu teor em minerais.

De acordo com o grau de decomposição e a zona, a turfa poderá ser chamada de loira ou negra. A Turfa loira também chamada turfa alta, é a que se desenvolve na parte mais superficial do terreno. Nestes lugares desenvolvem-se espécies pouco exigentes, difíceis de decompor pelo que a estrutura principal da vegetação que forma a turfa fica praticamente inalterada. É uma turfa mais pobre e com pH mais baixo. A Turfa Negra denominada assim pela cor escura que tem a vegetação que se decompôs quase por completo, desenvolve-se em zonas mais profundas. Ao contrário da anterior, o seu pH é alto e é a mais adequada para cultivar praticamente todo o tipo de plantas. É uma turfa mais rica, fina e decomposta.

Desde a escolha do local até à extração existe um longo e demorado percurso que é necessário cumprir. Preparar o  local de extração da turfa é uma tarefa complexa, que inclui o planeamento de um sistema de abastecimento de água de drenagem e combate a incêndios, estradas tecnológicas, campos de turfa adequados à tecnologia de extração, estradas de acesso, linhas de energia entre muitas outras instalações. Os locais de extração de turfa são construídos de acordo com o procedimento aprovado no projeto de construção na ordem estipulada pelas leis e regulamentos existentes na Letônia.

O processo inicial de extração de turfa, inicia com os trabalhos de prospeção e avaliação de impacto ambiental. É certamente a fase mais demorada e mais difícil.

Depois de tudo aprovado e em projeto, segue-se a preparação da infraestrutura para o desenvolvimento do pântano.

A primeira fase é a de limpeza e drenagem do campo de turfa, que pode demorar cerca de 5 anos. Este período depende muito da área de extração, dos prazos a que estão sujeitos, ao tipo de depósito de turfa e humidade, ao supercrescimento da vegetação e de outras condições.

Depois da drenagem feita pode começar a sua exploração. Esta recolha pode ser feita por aspiração, onde a primeira camada previamente preparada é aspirada ou então por corte, onde são laminados pequenos cubos de turfa.

As empresas de extração de turfa que operam principalmente nas regiões da Letónia são de extrema importância para as comunidades locais. Elas proporcionam emprego às populações das regiões ultra periféricas. Atualmente, 64 empresas em 96 turfeiras com área total de licença de 25 731 ha estão a operar na Letônia. A indústria de turfa durante a temporada ativa de extração emprega até 2.500 funcionários.

A União Europeia obtém 68 milhões de m3 de turfa, dos quais 28% da turfa extraída é utilizada na horticultura profissional. Na Letónia, a quantidade de turfa extraída foi de 1,2 milhões de toneladas de turfa, o que representa um terço ou 31% da turfa hortícola utilizada na UE.

Na Nutrofertil, esta matéria prima é utilizada em praticamente toda a gama de Substratos Profissionais e Hobby.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.